O PPP Summit 2016 acontecerá dentro de 3 semanas, na cidade de São Paulo.

Para maximizar a percepção de valor do evento para os participantes, a organização encomendou à Tendências Consultoria que fizesse um estudo, com base em dados da Radar PPP, sobre o impacto que a situação fiscal do país pode gerar sobre as novas Parcerias Público-Privadas.

O estudo aponta que 2016 será o terceiro ano consecutivo de forte fragilidade das finanças públicas. Em 2014, o déficit primário foi de 0,6% do PIB, atingiu 1,9% no ano passado e a expectativa é de déficit de 1,5%, com o risco de chegar a 2% do PIB neste ano. A dívida pública em relação ao PIB deve atingir 73,5% neste ano ante 57,2% ao final de 2014.

Ainda de acordo com o estudo, entretanto, no que se refere às PPPs, o ano de 2015 e o início de 2016 parecem não estar tão ruins quanto a situação fiscal brasileira. Em 2015 foram assinados 11 contratos de parceria público-privada e em 2016 já foram assinados 2. No âmbito dos Procedimentos de Manifestação de Interesse (PMI), em 2015 foram publicados 103 PMIs municipais e 32 estaduais. Ou seja, aparentemente, os entes subnacionais perceberam que o desafio orçamentário dos próximos anos precisava ser equalizado por modelos de contratação que capturassem o capital privado na fase de implantação dos projetos.

A integra do estudo pode ser acessada clicando aqui.

As informações sobre o mercado de Parcerias Público-Privadas do Brasil são atualizadas diariamente para os assinantes do Radar de Projetos.

Fábio Klein, economista sênior responsável pela área de finanças públicas na Tendências, estará em um dos painéis do PPP Summit 2016, falando sobre este estudo e o perfil político e fiscal dos municípios que lançaram projetos de PPP em 2015. Para conhecer todos os demais palestrantes do encontro, clique aqui.