Reis explica que Portugal é exemplo de que é possível em uma geração passar de um país sem infraestrutura a um com muita infraestrutura. Porém, ele alerta que Portugal abusou do instrumento das PPPs e teve problemas associados a isso. ‘PPPs tem a ilusão de que se consegue gastar dinheiro mais tarde e fazer mais obras, o que levou a um exagero do instrumento’, afirma o professor, que explica que foi necessário rever e esfriar a utilização das PPPs.

Reis explica que para dar certo é necessário que exista um bom treinamento do setor público no processo de início de concessão. Segundo o especialista, no Brasil ‘as unidades de PPPs estão muito mais preparadas e inspiram total confiança de que o Brasil está pronto para começar este processo’.

A Radar PPP e a Católica-Lisbon School of Business & Economics possuem um acordo de cooperação em prol da capacitação de agentes públicos e privados no tema das Parcerias Público-Privadas em países da América Latina e da África.

Ouça a íntegra da entrevista clicando aqui.